Cadastre seu e-mail e receba dicas úteis, novidades e muito mais. O cadastro é fácil e rápido.

Acompanhe as novidades

Mercado publicitário fatura R$ 47,9 bilhões e cresce 6,81% em 2013

Receita teve maior alta na mídia exterior e TV aberta ficou com a maior fatia. Houve queda de faturamento em meios impressos, cinema e internet.

Mercado publicitário fatura R$ 47,9 bilhões e cresce 6,81% em 2013 O faturamento do mercado publicitário aumentou 6,81% no ano passado e alcançou R$ 47,9 bilhões, segundo o Projeto Inter-Meios, relatório de investimento em mídia coordenado pelo Grupo Meio & Mensagem em parceria com a PricewaterhouseCoopers.   Desse total, R$ 32,2 bilhões são investimento bruto em mídia.  As emissoras de TV aberta receberam a maior fatia dos investimentos, alcançando 66,5% do total e faturando R$ 21,4 bilhões em 2013, uma alta de 9,8%. Nas TVs por assinatura, houve alta de 18% no faturamento, que atingiu R$ 1,5 bilhão. A mídia exterior teve a maior alta na receita, de 21,82%, recebendo R$ 1,1 bilhão. No segmento estão empresas especializadas em outdoor, mobiliário urbano, mídia digital em locais públicos, painel e móvel. A publicidade em rádio cresceu 10,45% no período, com faturamento de R$ 1,3 bilhão. Nos meios impressos, houve queda da receita publicitária. Nos jornais, a redução foi de 3,76% no faturamento, para R$ 3,26 bilhões; nas revistas, foi de 7,55%, alcançando receita de R$ 1,77 bilhão; e nos guias e listas o desempenho foi 26,3% menor que o de 2012, de R$ 200,3 milhões. O faturamento de 2013 também ficou abaixo do ano anterior no cinema (queda de 2,12%, para um faturamento de R$ 103,4 milhões) e na internet (redução de 5,61% e faturamento de R$ 1,43 bilhão).   Copa e otimismo As expectativas para este ano são positivas, de acordo com o vice-presidente executivo do Grupo Meio & Mensagem, Marcelo de Salles Gomes. “Projetamos um crescimento em torno de 9% para o período. Parte dos investimentos virá já no primeiro semestre, em virtude da realização da Copa do Mundo. Outro ponto favorável é que teremos eleições majoritárias e os governos Federal e Estaduais costumam concentrar seus principais investimentos nos primeiros seis meses do ano”, disse em nota.