Cadastre seu e-mail e receba dicas úteis, novidades e muito mais. O cadastro é fácil e rápido.

Acompanhe as novidades

Maduro põe Forças Armadas em alerta após blecaute na Venezuela

Parte do país ficou às escuras durante cerca de meia hora. Presidente venezuelano diz que apagão foi provocado.

Maduro põe Forças Armadas em alerta após blecaute na Venezuela     O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, colocou em alerta as Forças Armadas Bolivarianas (FANB) e os corpos de segurança após o blecaute que deixou às escuras por cerca de meia hora parte da região central e oeste do país nesta segunda-feira (2), em um incidente que o governo garantiu que foi provocado. Maduro disse, por intermédio do canal estatal "VTV", que o Alto Comando está reunido e que há informações sobre novos ataques contra o sistema elétrico, poucos dias antes de uma importante eleição local. "Estão em alerta todos os corpos de segurança para proteger o povo", disse. Um blecaute deixou vários estados do centro e do oeste da Venezuela temporariamente às escuras devido a uma falha na mesma conexão elétrica que gerou uma situação similar há três meses. O ministro da Energia Elétrica, Jesse Chacón, afirmou que "a falha foi provocada" e relatou que o blecaute aconteceu depois que um cabo de uma torre de alta tensão em Guárico, no centro país, se soltou, algo que, disse, nunca ocorreu com as condições climáticas que havia nessa parte do país. "Os corpos de segurança já estão se transferindo para o local e vamos levar esta investigação até as últimas consequências", disse Chacón. O ministro acrescentou que o fluxo normal do fornecimento de eletricidade foi sendo restabelecido gradativamente e já está praticamente normalizado em todo o país. Maduro disse que o governo vai tomar "todas as medidas" porque "esta gente entra em desespero", em alusão aos líderes da oposição, e lembrou que nesta segunda completam 11 anos da greve dos petroleiros organizada contra o então presidente Hugo Chávez. O governo venezuelano determinou algumas medidas para proteger o sistema elétrico após o blecaute ocorrido em 3 de setembro. Na época, o presidente venezuelano ordenou a militarização da rede elétrica e a mobilização de trabalhadores e militares para vigiar as instalações. O ministro do Interior e Justiça, Miguel Rodríguez Torres, informou que mandou às ruas "milhares de funcionários da Guarda Nacional (Polícia Militar) e da Polícia Nacional para atender qualquer contingência". "O país foi afetado pelo apagão que causa intranquilidade e declarações patéticas de membros do governo. Pelo menos uma vez em suas vidas sejam responsáveis!", escreveu no Twitter o líder da oposição, Henrique Capriles, após o incidente. O governo do falecido Hugo Chávez decretou emergência do setor elétrico em 2010, o que provocou severos racionamentos durante vários meses. Em abril de 2013, Maduro, decretou uma nova emergência elétrica, prorrogada em agosto por 90 dias, apesar de ter mencionado melhorias consideráveis no setor.