Cadastre seu e-mail e receba dicas úteis, novidades e muito mais. O cadastro é fácil e rápido.

Acompanhe as novidades

Saiba que setores se beneficiam da suspensão de sanções ao Irã

Irã e potências fecharam acordo provisório sobre questão nuclear. Setores-chave da economia iraniana tiveram alívio.

Saiba que setores se beneficiam da suspensão de sanções ao Irã   O acordo de Genebra sobre o programa nuclear iraniano suspende as sanções sobre o ouro e os metais preciosos, a indústria petroquímica, a indústria automotiva e a aviação civil, setores-chave da economia de Teerã. Leia abaixo a relação de produtos e setores: - Ouro Em setembro de 2012, as reservas de ouro iraniano chegavam a 109 toneladas, de acordo com o jornal econômico 'Donya-ye Eqtesad". Os maiores compradores são Turquia e Índia. - Produtos petroquímicos: Entre março e setembro de 2013, as exportações iranianas (PVC, polietileno, ABS, polipropileno, poliéster etc.) eram de US$ 5 bilhões (ou US$ 12 bilhões para o ano iraniano entre março de 2011 e março de 2012), segundo o portal na Internet da Indústria petroquímica nacional. Em 2012, o Irã exportou sua produção principalmente para China (22%-27%), vizinhos do Oriente Médio (18%), Índia (13%) e apenas de 1% a 2% para a Europa. Com a assinatura do acordo de Genebra, o Irã prevê elevar sua produção até 50 milhões de toneladas em março de 2014 para um volume de exportação de 17,4 milhões de toneladas. Segundo a agência de notícias Mehr, a retomada das exportações para a Europa pode gerar US$ 2,5 bilhões ao ano. - Setor automotivo: A indústria automotiva é o segundo setor iraniano, atrás do setor do petróleo, de acordo com estimativas de diferentes especialistas. A produção se situa entre 500 mil e 800 mil unidades. Em 2011, bateu a marca de cerca de 1,6 milhão de veículos. Antes das sanções, o setor emprega direta e indiretamente de 400 mil a 500 mil pessoas. Os principais fabricantes são Irã Khodro e Saipa. - Transporte aéreo: As companhias aéreas iranianas, com a Iran Air à frente, estão sob as sanções internacionais, entre elas um embargo americano que data de 1995 sobre a venda de aparelhos, peças de reposição e assistência técnica. Com isso, a frota iraniana se tornou uma das mais antiquadas do mundo. Desde 2010, seus aviões não são reabastecidos com combustível nos principais aeroportos europeus.