Cadastre seu e-mail e receba dicas úteis, novidades e muito mais. O cadastro é fácil e rápido.

Acompanhe as novidades

GM anuncia investimento de R$ 6,5 bilhões no Brasil nos próximos 5 anos

Presidente mundial da montadora se reuniu com Dilma no Planalto. Investimentos serão em novos produtos e desenvolvimento de tecnologias.

GM anuncia investimento de R$ 6,5 bilhões no Brasil nos próximos 5 anos A presidente mundial da General Motors, Mary Teresa Barra, afirmou nesta quinta-feira (14), após participar de reunião com a presidente Dilma Rousseff no Palácio do Planalto, em Brasília, que a montadora investirá no Brasil R$ 6,5 bilhões nos próximos cinco anos.   “Nós demonstramos à presidente a importância do mercado brasileiro para a GM. Primeiro, porque tínhamos previsto o investimento de R$ 5,7 bilhões e que concluímos em 2013. Agora, estamos anunciando investimentos de R$ 6,5 bilhões nos próximos cinco anos”, afirmou.   Ela disse que não poderia adiantar detalhes sobre o investimento, mas explicou que maior parte será destinada ao custo das instalações e ao desenvolvimento de novas tecnologias.   Na avaliação de Mary Barra, a montadora considera o Brasil um mercado “extremamente importante” e “um lugar excepcional” para investimentos. “Reconhecemos que há desafios de médio e longo prazo, mas estamos aqui há 90 anos e continuaremos aqui”, declarou.   “Eu não posso dar muitos detalhes [dos investimentos], mas posso adiantar que serão investimentos em produtos novos, melhoria dos produtos atuais, desenvolvimento de novas tecnologias para cumprir os requerimentos da legislação e para a manutenção das nossas instalações”, afirmou. Segundo a presidente da montadora, a GM divulgará “nos próximos dias” todos os detalhes do que prevê para o Brasil.   “Nós tivemos a oportunidade de discutir com a presidente Dilma quais são as medidas que podem fazer a nossa indústria mais eficiente. Tive a oportunidade de agradecê-la pessoalmente pelos esforços, como a redução do IPI [Imposto sobre Produtos Industrializados] e a melhoria das condições de crédito”, afirmou.