Cadastre seu e-mail e receba dicas úteis, novidades e muito mais. O cadastro é fácil e rápido.

Acompanhe as novidades

Produtores de erva-mate do RS estão satisfeitos com os preços

Muitos agricultores estão otimistas com a cultura. Aumento no preço tem a ver com a redução na oferta do produto.

A produção gaúcha de erva-mate vai ser maior este ano. Os agricultores voltaram a investir na cultura e estão satisfeitos com a qualidade e com o preço pago pela indústria. A habilidade na hora do corte vem da experiência de quase três décadas na lavoura de erva-mate e nesta época do ano, o trabalho no campo só para quando o sol se põe. Jânio Godoy espera colher mais de 30 mil quilos da planta em 8 hectares plantados na propriedade que fica em Venâncio Aires, região central do estado. Assim como ele, outros agricultores estão otimistas com a cultura. A família de Sérgio Halmenschlager voltou a investir na propriedade, depois de muitos anos. O verde intenso dos ervais é sinal de qualidade e garantia de preço justo na hora da venda. Hoje, o produtor recebe, pelo menos, R$ 1 pelo quilo de erva-mate natural comercializado, mas há dois anos esse valor não se aproximava de R$ 0,50. O aumento no preço tem a ver com a redução na oferta do produto. A falta de estímulo e de valorização nos últimos anos, fez com que produtores esquecessem das lavouras.  Em 2013, a situação mudou. A indústria sentiu a escassez de matéria-prima e se obrigou a pagar mais pelas folhas. Alguns municípios chegaram a distribuir mudas para que fossem replantadas nos ervais existentes. Para este ano, a expectativa é de um aumento de 20% na produção. Serão quase 300 mil toneladas da planta em 30 mil hectares, segundo dados do Fundo de Desenvolvimento e Inovação da Cadeia Produtiva da Erva-Mate do Estado (Fundomate). No Rio Grande do Sul, a maior parte da erva-mate é cultivada. No Paraná e em Santa Catarina, outros estados produtores importantes, a colheita é feita em plantas nativas.