Cadastre seu e-mail e receba dicas úteis, novidades e muito mais. O cadastro é fácil e rápido.

Acompanhe as novidades

Número de carros blindados em SP triplica em 2013

Até outubro, 8.022 carros foram blindados, segundo o Exército. Serviço custa entre R$ 50 mil e R$ 70 mil.

Número de carros blindados em SP triplica em 2013       O número de carros blindados na cidade de São Paulo triplicou neste ano em relação a 2012. Segundo dados do Exército, que regulamenta o setor, 2.713 veículos foram blindados na cidade em 2012. Já neste ano de 2013, até o fim de outubro, 8.022 carros foram blindados. Uma empresa mostrada pelo Bom Dia São Paulo nesta quinta-feira (7) blinda, em média, 60 carros por mês e tem fila de espera pelo serviço. O serviço custa entre R$ 50 mil e R$ 70 mil. Para fazer a blindagem, o veículo precisa ser desmontado e recebe um tratamento quase artesanal. Para isso, são usados materiais como aço, vidro muito resistente e fibra. “Um projétil não precisaria nada mais, nada menos, do que um centímetro quadrado para penetrar no carro. Se houve uma falha na blindagem, de um centímetro quadrado que for, já não haveria uma proteção efetiva”, afirma Rogério Garrubbo, sócio de um empresa especializada em blindagem de veículos.  O aumento na procura dos serviços é sinal de que a sociedade está com medo. O empresário Fifo Anspach, que está no ramo há 15 anos, disse não ver com bons olhos essa mudança. “Quer dizer que as pessoas estão mais inseguras e correndo para uma necessidade de segurança que o estado, de alguma maneira, não está oferecendo. Eu não vejo com bons olhos o mercado crescendo”, afirmou. Ele acredita que ele poderia se especializar na venda de outros veículos. “Eu venderia carro de qualquer maneira, só que com outro tipo de carro, um carro mais rápido, mais bonito e menos protegido.” Para a diretora do Instituto Sou da Paz, Melissa Risso, a blindagem é uma medida de proteção individual, que não resolve o problema da falta de segurança. “O problema da segurança pública precisa ser resolvido coletivamente. É preciso investir no coletivo para encontrar uma solução de redução de criminalidade para todo mundo. Não dá para eu blindar o meu carro  e não me preocupar com o que está acontecendo com o carro do lado”, afirmou.